Hérnias (Inguinal – Virilhas, Umbilical, Epigástrica, Incisional)

Hérnia é a protrusão de um órgão, ou parte dele, através de um orifício na musculatura da parede do abdome. Este orifício pode abrir por má formação ou enfraquecimento da parede.

As hérnias da parede abdominal recebem diferentes nomes conforme sua localização. Podem ser epigástricas, umbilicais, inguinais (virilhas) ou ainda se formarem sobre incisões de cirurgias prévias, as chamadas hérnias incisionais.

Sintomas

O principal sintoma das hérnias é a dor e o abaulamento no local. A dor pode ser forte ou apenas um desconforto na região. Já o abaulamento pode aumentar ou ficar mais visível aos esforços como tossir ou levantar pesos.

Diagnóstico

O diagnóstico das hérnias é essencialmente clínico. Na maioria das vezes a história e o exame físico são suficientes para o diagnóstico. Em casos de dúvida podem ser solicitados exames de imagem como ultrassonografia e tomografia computadorizada.

Complicações

Conforme o tempo vai passando, a hérnia tende a aumentar de tamanho. No caso das hérnias inguinais (virilha), a hérnia pode até descer para a bolsa escrotal. As principais complicações das hérnias são o encarceramento e o estrangulamento.

O encarceramento ocorre quando o órgão herniado não consegue mais retornar para dentro do seu local de origem. Em caso de inchaço desse órgão encarcerado, pode haver falta de circulação sanguínea no órgão, levando ao estrangulamento que é uma emergência.

Tratamento

Como as hérnias são um problema anatômico/mecânico o único tratamento é a cirurgia. A cirurgia deve ser realizada assim que o diagnóstico for realizado, pois quanto maior for a hérnia, mais trabalhoso será o procedimento.

A cirurgia para tratamento das hérnias pode ser de dois tipos: aberta (com corte) ou por videolaparoscopia (furinhos).

Na cirurgia convencional aberta é realizado um corte na região da hérnia e o defeito é reparado, muitas vezes com a utilização de telas (redes sintéticas) para reforçar a parede.

Hoje em dia quase todas as hérnias podem ser operadas por videolaparoscopia (furinhos). Nessa técnica como não tem corte, a dor pós operatória é menor, o retorno às atividades habituais é mais precoce, além de melhor resultado estético. Nas cirurgias por vídeo também são utilizadas telas.

Em ambas as técnicas o paciente recebe alta no dia seguinte ou até no mesmo dia dependendo do caso. O tempo de recuperação varia em decorrência da técnica, tamanho e tipo de hérnia.